Sobre o dia em que um sapateiro decifrou o enigma da eleição em Patos