• Manda quem pode, obedece quem tem juízo. Pâmela perdeu a guarda do filho

    Manda quem pode, obedece quem tem juízo. Pâmela perdeu a guarda do filho

    EXCLUSIVO - Eu sempre soube que a Justiça servia para evitar que os mais fracos levassem desvantagem no embate com um mais forte e que, cega, a Justiça julgaria com eqüidistância. Mas, algumas decisões do Poder Judiciário paraibano refizeram esse meu conceito.

    Definitivamente, nossa Justiça não é cega e passa a lupa nos casos para decidir em favor de quem tem poder político ou financeiro para contratar um bom advogado e este sensibilizar com bons argumentos.

    Vejam o caso da ex-primeira dama Pâmela Bório, que até um dia desses era uma autoridade, tomava chá com as esposas dos desembargadores nos eventos de caridade e agora teve a guarda do filho tomada pelo ex-marido Ricardo Coutinho, notoriamente com muito menos tempo disponível do que ela para cuidar da criança.

    Ninguém em bom juízo apostaria numa causa onde a guarda de um filho fosse retirada de uma mãe com tempo livre para repassar para um pai com agenda sufocante.

    A não ser que o pai em questão seja o governador da Paraíba e a mãe uma ex-miss que nasceu em outro estado e não tem família com laços para evitar a investida.

    Na postagem de Pâmela abaixo a confirmação de que cada vez mais ela perde o direito de criar o seu filho, que hoje passa apenas três horas por semana em seu poder e apenas dois pernoites nos finais de semana por mês.

    Resumindo, a Justiça achou que a babá do menino tinha mais condições de criar o filho dela, o que em qualquer corte do mundo seria considerado um absurdo.

    MAIS SOBRE O ASSUNTO, LEIA: http://dercio.com.br/blog/mais-lenha-na-fogueira-na-polemica-decisao-em-que-/

    04 de Agosto de 2015
    Postado às 14hrs, por Dércio | 13 pessoas comentaram
"Este blog não se responsabiliza pelas opiniões emitidas neste espaço pelos leitores e destacamos que os IPs de origem dos comentários ficam disponíveis para eventuais demandas jurídicas ou policiais".

Comentários (13)

  • HERALDO TEIXEIRA DE CARVALHO comentou há 1 ano, 7 meses atrás:

    SE VERDADE É UM ABSURDO

  • mary rosangela de araujo silva comentou há 1 ano, 7 meses atrás:

    Eu sei muito bem o que você esta sentindo pâmela, pois recentemente minha filha perdeu a guarda da filha dela para os avos paterno.somos pessoa humildes, trabalhadoras, mais eles tem dinheiro e influencia, por isso a justiça deu a gurda da minha neta, minha filha também só passa um final de semana a cada 15 dias com a filha e 2 dias na semana, sofremos muito com essa situação mais não perdemos a esperança pois confio muito no meu Deus. por isso deixo aqui o meu apoio a você e a minha revolta contra a justiça que manda quem tem mais dinheiro e pode pagar um bom advogado. Fica com Deus, que DEUS TE ABENÇOE, a partir de hoje você estará em minhas orações. Esse e o depoimento de uma avó revoltada com a justiça pois que mundo e esse onde uma mãe passa nove messe esperando um filho para depois a justiça chegar e tirar o filho e dar para o pai ou os avos.

  • Cida Xavier comentou há 1 ano, 7 meses atrás:

    Absurdo!!! Mãe é mãe! Que justiça é essa...ela tem todas condições, econômica, psicológica e ama seu filho. Os dois entrem num acordo, pelo amor dele, termina a relação marido e mulher, jamais o vinculo pai e mãe. 💩🙈💔

  • Jason comentou há 1 ano, 7 meses atrás:

    Meu amigo tem tanta mãe que não presta!!!! Os casos de mães matando seus filhos, jogando recém nascido no mato, matando etc etc, tem muitos pais que são melhores que muitas mães, não estou dizendo que é o caso dela, mas toda criança á partir de 3 anos tem que ser ouvida.

  • Armando comentou há 1 ano, 7 meses atrás:

    Infelizmente esse é o desfecho para quem ameaça contar o que sabe e tem vários atores de poder econômico e de influência envolvido.

  • Leuza comentou há 1 ano, 7 meses atrás:

    Isso é um absurdo esse cara não tem tempo para cuidar nem dele quanto mais do filho..Também dinheiro é q não falta para pagar advogado.

  • Daieny comentou há 1 ano, 7 meses atrás:

    Eu não acredito mais nem em justiça. Isso é uma palhaçada!

  • Stefan comentou há 1 ano, 7 meses atrás:

    A vítima nao e ela, a vítima e a criança

  • Angela comentou há 1 ano, 7 meses atrás:

    Que absurdo esse juiz foi muito desumano nossa. Então o dinheiro é tudo? O poder fala mais alto? Minha nossa .....

  • Dayse Dantas comentou há 1 ano, 7 meses atrás:

    Tirar o direito da mãe para dá-lo a um pai ausente, gente como assim . Trata-se de uma criança que precisa de cuidado e atenção. A mãe pode ter tido até seus excessos mais e dai quem não os teve. Está na cara que Ricardo só fez isso para atingi lá. Infelizmente a justiça está em desacordo.

  • AMPB comentou há 1 ano, 7 meses atrás:

    NOTA DE ESCLARECIMENTO A AMPB - Associação dos Magistrados da Paraíba, associação que representa 383 associados, dentre desembargadores, juízes e pensionistas de magistrados, diante da matéria publicada no “Blog do Dércio”, em 4 de agosto de 2015, com o título "Manda quem pode, obedece quem tem juízo. Pâmela Bório perdeu a guarda do filho", vem a público prestar os seguintes esclarecimentos: O trabalho do Juiz de Direito é delimitado pela lei e pela iniciativa das partes. Assim, um juiz só pode agir quando provocado. Nenhum ato judicial, portanto, é ato de vontade arbitrária do próprio juiz, senão de reflexo do ordenamento jurídico e dos princípios constitucionais que garantem o contraditório e a ampla defesa. As insatisfações com decisões judiciais, sobretudo daqueles que participam de litígios, devem ser vistas com naturalidade e fazem parte do embate judicial. Todavia, numa sociedade democrática existem os meios processuais adequados para as manifestações de inconformismo que podem ser exercidos através dos competentes recursos judiciais, não se admitindo, em sociedade civilizada, ataques de cunho pessoal e por órgãos de imprensa às autoridades constituídas em razão do exercício de suas funções judicantes. A AMPB repudia qualquer tipo de interferência à liberdade de julgar, ofensas pessoais, ou qualquer comportamento que vise desvirtuar a função judicial ou de seus juízes. A AMPB confia na imparcialidade de seus juízes e espera que prevaleça o respeito ao Poder Judiciário e a seus magistrados, a quem assegura assistência judiciária integral, como resguardo da ordem democrática, calcado em preceitos éticos e princípios que norteiam o Estado Democrático de Direito e a liberdade de expressão responsável. João Pessoa, 6 de agosto de 2015 Juiz Horácio Ferreira de Melo Júnior Presidente da Associação dos Magistrados da Paraíba

  • Maria Betânia Fernandes comentou há 1 ano, 7 meses atrás:

    Posso até concordar com alguns dos seus argumentos quanto a isonomia da justiça entretanto, este caso não se trata de política e acho um absurdo que alguns descontentes com o governo ignorem o bem estar de uma criança, sim,é disso que se trata! Não precisa ser simpatizante do governador em questão para ignorar a vaidade e arrogância desta senhora, que sempre pareceu mais preocupada com sua imagem e condição social! Aliás, uma imprensa séria nem deveria noticiar tais fatos buscando preservar a integridade da criança.

  • rfm comentou há 1 ano, 7 meses atrás:

    Justiça da Paraiba = Historia de Trancoso

formulário de comentario : : : : captcha