• Países barram temporariamente carne do Brasil após operação da PF

    Países barram temporariamente carne do Brasil após operação da PF

    O mercado internacional começa a reagir à Operação Carne Fraca, deflagrada na sexta-feira pela Polícia Federal contra um esquema de corrupção envolvendo fiscais agropecuários e frigoríficos. China, Coreia do Sul e Chile anunciaram restrições temporárias à entrada da carne brasileira em seus países.

    O Ministério da Agricultura confirma que apenas a China pediu informações ao governo brasileiro sobre a carne exportada. Enquanto o Brasil não der essas informações, a carne brasileira que chegar à China fica parada no porto. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, tem uma videoconferência com autoridades chinesas às 21h (horário de Brasília).

    O governo informa não ter sido comunicado sobre o banimento da carne em outros países. Mas o Ministério da Agricultura do Chile informou no Twitter a suspensão temporária da compra de carne brasileira.

    A União Europeia informou que está monitorando as importações de carne brasileira e de todas as empresas envolvidas na Operação Carne.  "A Comissão garantirá que as empresas envolvidas na fraude tenham suas exportações para a UE suspensas", disse à imprensa britânica um porta-voz da entidade.

    Segundo agências internacionais, a Coreia do Sul vai intensificar a fiscalização da carne de frango importada do Brasil e banir temporariamente a entrada de produtos da BRF, uma das empresas citadas na Operação Carne Fraca.

    Em nota, a BRF informa "que não recebeu nenhuma notificação oficial das autoridades brasileiras ou estrangeiras a respeito da suspensão de suas fábricas por países com os quais mantém relações comerciais, incluindo Coreia do Sul e União Europeia".

    Fonte:Veja

    20 de Março de 2017
    Postado às 13hrs, por Dércio | 0 pessoas comentaram
"Este blog não se responsabiliza pelas opiniões emitidas neste espaço pelos leitores e destacamos que os IPs de origem dos comentários ficam disponíveis para eventuais demandas jurídicas ou policiais".

Comentários (0)

formulário de comentario : : : : captcha